«Nabonga»

Ana Lúcia Agostinho

Foi no dia 16 de julho que parti em missão rumo a Inharrime, Moçambique. Levava uma mala bem pesada com os contributos de muita gente que quis fazer chegar a sua generosidade às crianças apoiadas pelo Centro Laura Vicuña. Não fazia ideia do que iria encontrar, nem imaginava como seriam as pessoas me esperavam no meu destino. Sabia apenas que teria de confiar nos caminhos do Senhor, como diz o salmo que me acompanhou nos tempos de preparação: “O Senhor é meu pastor, nada me falta.” (Sl 23).

De facto, nada me faltou… Creio até que recebi em demasia!

Imagino que o que leva a maioria das pessoas a partir em missão é o desejo de dar a vida pelos outros, de servir o Senhor naqueles que mais sofrem. Pelo menos era essa a minha vontade: dar o máximo de mim, naquelas poucas semanas que estaria em Inharrime.

Mas, sabes aquela frase cliché “Recebi bem mais do que entreguei”? Gostava de te poder dizer algo mais original, mas não me ocorre nada mais real!

Assim que cheguei a Inharrime, fui “atacada” pelos mimos e a alegria contagiante das meninas do orfanato e pelo carinho das irmãs Filhas de Maria Auxiliadora que de tudo fizeram para me sentir em casa. “Esta é a tua casa, a casa que a tua comunidade ajudou a construir!” foram as primeiras palavras da Ir. Lucília Teixeira quando atravessámos o portão do centro. E em casa me senti desde o primeiro instante.

Ana Lúcia e a Ir. Lucília

Ana Lúcia e a Ir. Lucília

Não falo apenas das meninas e das Irmãs, sem esquecer o testemunho de entrega dos voluntários que lá encontrei. Falo também das famílias e das comunidades que tive o privilégio de conhecer. Gente simples que do nada que tem, tudo dá e põe em comunhão.

No dia 29 de julho, pude acompanhar a Ir. Aida numa missão pastoral a uma jovem comunidade, numa terra (ainda) sem nome. A comunidade reunia-se numa casa sem porta nem janelas, construída com folhas de coqueiro e telhado de chapa, os bancos eram troncos, muito baixinhos. Cá fora via-se um empilhado de blocos de cimento que, pouco a pouco, a comunidade ia juntando para construir a sua igreja.

As pessoas iam chegando, depois de terem percorrido longos quilómetros a pé. Uns traziam as flores, outros os instrumentos de percussão e, outros ainda, as toalhas e as capulanas para os acólitos e para as crianças. Cada um entregava os dons que tinha e o que sabia, tudo para que a comunidade pudesse viver com a maior das alegrias a Celebração da Palavra. Nesse dia, o evangelho de S. João falava-nos do milagre da multiplicação dos pães e dos peixes (Jo 6, 1-15). Apesar de toda a celebração ter sido em chope (dialeto local), creio que nunca o compreendi tão bem. Aliás, senti-me a viver esse milagre!

Comunidade Católica

Comunidade Católica

Com estas pessoas aprendi que o Senhor não nos pede muito: apenas que entreguemos tudo o que somos, toda a nossa vida que é tão pequena e frágil. Sem medo, porque Ele não no-la tira; devolve-nos a vida revestida de uma alegria inimaginável! Como diz a Ir. Lucília, “a vida é linda” se a soubermos viver assim. Como eu gostava de o aprender!

O meu trabalho por lá era apenas “doar o meu tempo”: apoiar as meninas na sua aprendizagem, brincar com elas, contar-lhes histórias, ouvi-las e dar-lhes atenção. Tão simples, que até parece ridículo chamar-lhe “trabalho”. E este foi um tempo maravilhoso, dos melhores da vida!

Apoio ao estudo

Apoio ao estudo

Em Inharrime, pude testemunhar através da obra das Irmãs, como Deus age nas pequenas coisas e as transforma em tão grandes. Em 2005, as Irmãs iniciaram ali a sua missão, partindo do zero. Movidas pelo grito dos mais pobres e guiadas pelo amor e uma enorme confiança na providência divina, as Irmãs têm sido as mãos e o coração do Senhor na construção de uma obra que maravilha todos os que por lá passam. Hoje, o Centro Laura Vicuña apoia 70 meninas órfãs em internato e 50 meninas em semi-internato provenientes de famílias muito pobres; tem ainda uma escola pública com cerca de 2500 alunos; dedica-se à formação profissional dos jovens; e apoia o desenvolvimento da população local.

É grande e belo o que por lá se tem edificado. Contudo, todas as mãos fazem falta, porque muito há a fazer. E acredita que os 12 mil quilómetros de distância não são impedimento para trabalhar nesta vinha do Senhor!

Se quiseres, também tu podes ajudar. Sabe como em: www.amigosinharrime.pt.

De volta a Portugal, trago as malas bem mais vazias. Já o coração vem a abarrotar com os dons que do Senhor recebi no meio desta minha nova família, muita vontade de lá voltar e com uma palavra a ecoar: nabonga, obrigado!

Ana Lúcia Agostinho

«Faz-te ouvir!» – as respostas dos 1717 jovens ao questionário diocesano

O Secretariado Diocesano da Pastoral da Juventude de Setúbal lançou o repto a todos os jovens, entre os 14 e os 35 anos, crentes e não crentes, de responderem a um questionário sobre a sua participação na Igreja Católica e como veem a instituição.

resultados questionário diocesano_Setúbal (2)

Entre fevereiro e março deste ano 1717 jovens participaram e fizeram-se ouvir à Igreja que quer estar em caminho com a juventude.

Dos participantes, 72% são jovens que estão inseridos na vida eclesial, os 28% não, e esperam que a Igreja Católica responda com “verdade” e ajude a procurar respostas e explicações, que tenha “abertura” à realidade e necessidades do mundo hoje.

Neste contexto, também esperam “acolhimento” e “aceitação”, um olhar mais próximo ao de Jesus, por isso, querem “coerência” entre o que se professa e o testemunho.

Uma linguagem próxima e acessível e uma comunicação simples e eficaz também são precisas. Uma Igreja que os ajude a crescer nas relações – intrapessoais, com os outros e com Deus – é outro dos pedidos, por isso, querem ser protagonistas, como lhes pede o Papa.

questionário_idade participantes

O inquérito intitulado «Faz-te ouvir! – A Igreja em caminho com os jovens» foi realizado no contexto do próximo Sínodo dos Bispos, sobre «Os jovens, a fé e o discernimento vocacional», convocado pelo Papa Francisco e que se vai realizar de 03 a 28 de outubro de 2018.

Esta iniciativa realizou-se depois de encontros com os responsáveis de secretariados, grupos e movimentos juvenis, representantes dos institutos de vida consagrada e instituições sociais católicas que apoiam jovens em situação de risco, durante o mês de janeiro.

Já em maio e junho de 2017, a Pastoral da Juventude de Setúbal tinha reunido com os agentes responsáveis da pastoral juvenil na diocese.

Questionário_resultados_Setúbal

Bispo coloca juventude no centro das visitas pastorais até 2020

O bispo de Setúbal, D. José Ornelas, anunciou que até 2020 vai visitar todas as paróquias da diocese para conhecer a realidade juvenil local, dentro e fora da Igreja.

“O objetivo fundamental será o de envolver e responsabilizar os jovens, num modo de ser participativo, criativo e interventivo, ao mesmo tempo que se cria uma mentalidade de abertura nas paróquias e vigararias”, disse D. José Ornelas.

O Departamento de Comunicação diocesano informa que o anúncio do nosso bispo foi feito ao clero na reunião plenária conclusiva do ano pastoral, dia 26 de junho, no Seminário de Almada

“Esta presença do Bispo junto dos jovens, nas suas comunidades, pretenderá dinamizar o que as comunidades estão a fazer e ajudar a mobilizar neste sentido – os jovens têm que ser os protagonistas da nossa Igreja”, acrescentou D. José Ornelas.

De recordar que o próximo biénio pastoral 2018-2020 em Setúbal vai ser dedicado à «Juventude e Vocações» e o bispo diocesano pretende realizar um encontro com os crismados ao longo do último ano.

“Temos que desafiar estes crismados a ser Igreja e a sair além das fronteiras da comunidade a que pertencem”, explicou ao clero sadino.

Segundo a notícia no site da diocese, na reunião, o diretor da Pastoral da Juventude, o padre João Nabais Dias, apresentou a proposta de estrutura de Pastoral Juvenil e Vocacional que se pretende implementar na Diocese de Setúbal e as futuras linhas de ação.

reunião clero_jun_Setúbal (2)

«MissionArte» – Ciclo de cinema convida a seguir «ao ritmo de Deus»

O grupo de jovens ‘MissionArte’, das Paróquias de Vila Nova de Caparica e Sobreda, dinamiza um ciclo de cinema, com duas sessões, dias 16 e 30 de junho, às 21h15, no Centro Social Paroquial da Sagrada Família.

“Os ciclos de cinema surgiram da vontade unir a comunidade, na sua diversidade geracional, em torno da reflexão dos temas pastorais sugeridos para cada ano, tendo como partida a sétima arte e o testemunho dos comentadores que têm ajudado a orientar esta reflexão”, contextualiza o grupo, em informação enviada ao SDPJSetúbal.

missionarteEste ano, os jovens ‘MissionArte’ promovem a 3.ª edição do ciclo de cinema e o tema «Não temais: Segui ao ritmo de Deus» “brotou” do tema «Maria, não temas, pois achaste graça diante de Deus» (Lc 1, 30) proposto pelo Papa Francisco para as JMJ 2018 (Jornadas Mundiais da Juventude) que foram vividas a nível diocesano/paroquial.

“O tema remete para a reflexão sobre a confiança em Nosso Senhor em todos os momentos e circunstâncias da nossa vida”, explicam, acrescentando que esses momentos são de alegria, mas também “dor, dúvida, medo, injustiça”.

As duas sessões têm entrada livre, começam sempre às 21h15, no Centro Social Paroquial da Sagrada Família, em Vila Nova de Caparica.

Este sábado, dia 16, vão apresentar o filme «Wonder» (Encantador), do realizador Stephen Chbosky (2017), que, segundo o grupo, aborda “a questão da aceitação” perante circunstâncias que não “correspondem aos padrões do que é desejado e ambicionado pela sociedade de um modo geral”.

Já no último dia do mês, a 30 de junho, mostram «A cabana», de Stuart Hazeldine (2017): “Conduz a uma reflexão sobre o que julgamos ser certo e errado, justo e injusto, imperdoável e passível de misericórdia.”

No final de cada encontro com a sétima arte, os filmes vão ser comentados/refletidos por orador convidado.

Conceição Gonçalves, catequista da Paróquia de Fernão Ferro, é a primeira convidada que, com o seu “testemunho de perseverança”, vai realçar como “aos olhos da fé é possível aceitar a alegria e a dor de um modo diferente”, se em tudo se procurar seguir “ao ritmo de Deus”.

No dia 30 de junho, o casal Lídia e Fernando Jacob, respetivamente advogada e juiz, vão ajudar a “repensar” os julgamentos do filme «A cabana» “à luz da fé, partindo do seu testemunho pessoal, familiar e profissional”.

O grupo de jovens MissionArte para além da sua página no Facebook criou também um evento – www.facebook.com/events/517350388667271/ – com todas as informações.

MissionArte_Ciclo Cinema2018

Testemunho vocacional diácono João Paulo Duarte

O diácono João Paulo Duarte vai ser ordenado presbítero no próximo domingo, 17 de junho, pelas 16h00, na Sé de Setúbal. A celebração vai ser presidida pelo nosso bispo, D. José Ornelas.

O João Paulo Duarte faz parte da equipa da Pastoral da Juventude da diocese e escreveu-nos um testemunho vocacional.

«Ao aproximar-se, a minha ordenação sacerdotal, é o momento propício para dar graças a Deus por tudo o que tem feito por mim, especialmente pela forma tão grandiosa de Me Amar e Perdoar continuamente.

Ao olhar para a minha vida, desde tenra idade, e até aos dias de hoje, uma coisa é certa: “Jesus está vivo” e bate constantemente à porta do meu coração e pergunta bem baixinho “Posso entrar?” e “Posso amar-te?”.

É maravilhoso, quando estamos os dois na mesma sintonia. Como sou feliz… quando permito que Ele me abrace e me encha com o seu amor e carinho.

Durante a minha vida, e perante o Seu amor por mim, e por cada um de nós, tenho apenas tentado corresponder ao Seu infinito amor.

Com a Igreja, tenho descoberto uma nova e numerosa família que da qual eu também faço parte. Esta é a grande família de filhos de Deus: Ela tem sido para mim mãe e irmã. Nos momentos de tribulação e de dúvidas, ela me ampara e me guia. Nos tempos de calmaria, ela confirma e desinstala.

A vida em seminário e de conhecer diversas realidades pastorais que por onde vou passando, têm-me ensinado e ajudado a perceber que para viver um dia no céu, tenho que já hoje, aqui e agora, a começar a construi-lo com aqueles que Jesus me dá no quotidiano.

Nestes últimos tempos, no tempo de diaconado [ordenado a 08 de dezembro de 2017], tenho tido a graça e a alegria de perceber que apesar da minha pequenez Jesus, usa-me para se encontrar e mudar a vida de tantos homens, mulheres e crianças através do sacramento da comunhão e do baptismo.

Peço a vossa oração, para que eu a cada momento possa escolher viver no céu.»

Diácono João Paulo Duarte

 

Esta sexta-feira, dia 15, a igreja de Nossa Senhora do Rosário, no Barreiro, recebe uma vigília de Oração, a partir das 21h30.

As Missas Novas vão ser celebradas no dia 23 de junho, às 18h, em Corroios, e no dia seguinte (24/6), em Sobral da Abelheira, pelas 16h00, a sua paróquia natal.

Diácono João Paulo Duarte (1)

Juventude e Vocações no centro da ação pastoral 2018-2020

Envolver os jovens na vida das paróquias e da diocese, incentivando-os para a missão foi uma das principais resoluções do Conselho Presbiteral da Diocese de Setúbal.

«A Diocese de Setúbal vai colocar a juventude e as vocações no centro sua ação pastoral ao longo do próximo biénio (2018-2020), procurando acompanhar o caminho que a Igreja tem vindo a fazer na preparação para o próximo Sínodo dos Bispos dedicado a este tema.

De acordo com o Bispo de Setúbal, D. José Ornelas, mantendo-se o tema geral centrado na Pastoral da Juventude e Vocações, a Diocese deverá aderir também à convocação da Igreja em Portugal para um Ano Missionário, dando uma perspetiva missionária ao tema da pastoral juvenil e vocacional.»

O gabinete de comunicação da diocese informa ainda que “preparar a Diocese para a celebração do IV Centenário da morte de Frei Agostinho da Cruz, e elevar Vale de Figueira a Paróquia”, foram outros assuntos em destaque na reunião do Conselho Presbiteral, no dia 22 de maio.

O Conselho Presbiteral, segundo o Código de Direito Canónico, é uma espécie de senado do Bispo que representa o presbitério. Compete ajudar o Bispo no governo da diocese nos termos do direito, para se promover o mais possível o bem pastoral do povo de Deus que lhe foi confiado.

«Eutanásia… O que está em jogo?» – Semana da Vida 2018

A Igreja Católica em Portugal começa hoje a viver a Semana da Vida de 2018 com a pergunta «Eutanásia… O que está em jogo?». A iniciativa termina dia 20 de maio e há várias sugestões e reflexões.

SemanaVidaPagela2018“Voltamos à problemática da Eutanásia, que envolve a ética, a medicina, o direito, a filosofia, a religião… e onde se ‘misturam’ experiências pessoais e familiares”, informa o Departamento Nacional da Pastoral Familiar.

A Comissão Episcopal do Laicado e Família, através do departamento, recorda uma frase do Papa Francisco sobre as “novas interrogações” relativas ao “sentido da vida humana”.

“Parece que hoje a criatura humana se encontra numa particular passagem da sua história que, num contexto inédito, se depara com as antigas e sempre novas interrogações sobre o sentido da vida humana, acerca da sua origem e do seu destino”, do Papa Francisco (5 de outubro de 2017).

A Conferência Episcopal Portuguesa distribuiu também um folheto explicativo com «perguntas e respostas sobre a Eutanásia», a partir do documento «Eutanásia: o que está em jogo? Contributos para um diálogo sereno e humanizador».

Folheto Eutanásia 2018

Folheto_Eutanasia 2018 (1)

Folheto_Eutanasia 2018 (2)