Promessa e Tarefa – Semana de oração pelos Seminários 2017

Muitos dizem que os ‘ses’ são o deus dos ignorantes, mas, em certas ocasiões, vale a pena ‘usá-los’, não para alimentar fantasias, mas para sublinhar uma ideia forte. Considerando esta última situação, atrevo-me a usar um ‘se’ em jeito de pergunta exclamativa, nesta semana em que toda a Igreja de Portugal é convidada a rezar pelos nossos seminaristas: e se deixasse de haver padres?!

Não obstante todos os limites mais ou menos óbvios da nossa humanidade – ‘nossa’ referente a nós, padres – ouso afirmar que a existência humana seria mortalmente dramática sem padres. Grande parte das estruturas de apoio social não existiriam no nosso país. A vida familiar teria muito mais dificuldade para viver no perdão. Muitos doentes, órfãos, presos, desempregados e idosos viveriam muito mais desconsolados. O sepultamento dos mortos seria feito com menos esperança. O mundo do trabalho seria muito mais injusto. O acompanhamento e educação das crianças, adolescentes e jovens seria muito mais difuso e sombrio. A ciência mais limitada. O mundo das artes e do desporto menos verdadeiro. A certeza e eficácia da paz com o mundo, os outros, nós próprios e Deus seria enganadora. Sem padres deixaríamos de ter Eucaristia e a Reconciliação. Não nos poderíamos alimentar e viver de Jesus!

Sendo intelectualmente honestos, chegamos à conclusão de que não pode deixar de haver padres! De facto, esta é simultaneamente uma vontade do Senhor e uma Sua promessa: «Dar-vos-ei pastores segundo o meu coração» (Jer 3,15).

Esta semana é para nos lembrarmos desta promessa de Deus. É certo que é uma promessa que nos descansa, mas ela torna-se tarefa para todos nós. Tarefa para entender que o Seminário é lugar vital para a nossa vida e a vida da diocese. Tarefa enquanto convite para tirar tempo para agradecer os 25 anos de existência do nosso Seminário diocesano e pelos mais de trinta padres que formou. Tarefa para que ao longo desta semana nos dediquemos ainda mais à oração pelos nossos seminaristas, pedindo que se configurem mais e mais ao coração do Bom Pastor. Tarefa para cada família desejar com fervor que do seu seio nasçam filhos com o desejo de servir Jesus como padres. Também tarefa para cada rapaz fazer, com a audácia e sinceridade da fé, como o D. Manuel Martins dizia: «Entra em ti. Procura descortinar se Jesus te chama e se Jesus te pisca o olho, não hesites. Serás o jovem mais feliz do mundo, até porque deixaste de ser tu, para seres Ele. Conheces a conversa de um padre feliz com Jesus: “Senhor, quem és Tu?” – “Eu…sou tu”. Que maravilhoso é o nosso Deus!»

Pe. Rui Gouveia, reitor do Seminário de Almada